Roberto Cláudio faz farra com dinheiro público gratificando amigos, diz vereador

18



O vereador Ronivaldo Maia, líder da oposição na Câmara Municipal de Fortaleza, denunciou ontem (17) o Prefeito de Fortaleza por “fazer farra com o dinheiro do fortalezense” em relação aos valores sobre gratificações de cargos comissionados da prefeitura.  


Segundo o parlamentar, o prefeito não cortou 25% das Gratificações por Trabalho Relevante, Técnico ou Científico (TTR), como tinha anunciado em outubro deste ano, pois ainda faltaria reduzir R$ 101.212,00, para completar meta do total mensal de gasto com TTR (R$ 2,1 milhões).


Ronivaldo ainda cobrou esclarecimentos sobre o critério estabelecido para esse corte, já que vários beneficiados com a gratificação ainda não tiveram sua TTR reduzida, e alguns que tiveram, mesmo ocupando o mesmo cargo, foram entre valores diferenciados. 

“AMIGOS DO PREFEITO”


Um dos exemplificados “amigos do prefeito” que não sofreu a correta redução do benefício foi Alexandre Pereira Silva,  coordenador executivo da secretaria municipal do desenvolvimento econômico, que recebe r$ 7.000,00 por trabalho relevante e teve uma redução de r$ 360,01 apenas na portaria 2.348/2015, dom 07/12/2015. Outros nomes foram citados, como Natália Rios, que recebe gratificação de R$ 4.000; e João Arruda, que, segundo Ronivaldo, “não trabalha e passa o dia fazendo publicidade para o prefeito”.  


“No último ano de gestão da Luizianne Lins ela gastou R$ 1 milhão com TTR e o Prefeito Roberto Cláudio gasta por ano R$ 36 milhões. Ele era para cortar 25% e não foi isso que ele fez. Ele gasta dois milhões por mês em TTR e até agora só cortou 400 mil, falta 100 mil para fazer os 25%. Não há critério para estabelecer uma TTR. O Prefeito faz farra com o nosso dinheiro e não corta a TTR para agradar os amigos dele as nossas custas”, declarou.


ROBERTO CLÁUDIO AUMENTA GASTOS COM TTR EM NOVEMBRO


No dia 24 de novembro, Roberto Cláudio instituiu a Comissão Intersetorial de Monitoramento e Avaliação das Ações desenvolvidas no âmbito da Atenção Primária, com 33 membros para monitorar a Atenção Primária (decreto nº 13.696), e cada um dos membros recebe de R$ 1.300,00 de gratificação.