Os grandes vitoriosos das eleições de outubro foram as abstenções e os votos branco e nulos

7


Levantar e cumprir com obrigação de cidadão, o voto. Foi o que não aconteceu, para 288.362 eleitores em Fortaleza. Na capital cearense o índice chegou a 17,04% de abstenções. Os números para os que votaram nulo chegaram a 82.342 e 35.443, em branco.


Segundo os dados do Tribunal Superior Eleitoral, a soma dos votos não considerados válidos e das abstenções é de 406.147, o que representa 24% do total do eleitorado da capital cearense, de 1.692.657 votantes.


Os últimos acontecimentos, como o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e até as pesquisas de intenção de voto foram citadas como forma contribuição para que alguns eleitores desacreditassem no voto. Meu voto já não tem tanto valor assim. Não adianta votar, o meu voto não faz diferença, porque até o ibope não contabiliza. Quem manda nas eleições são as pesquisas e o povo entra nessa onde, ressalta o estudante Pedro Cardoso Costa.


No município de Ipueiras, no interior do Ceará, mais de 10 mil eleitores deixaram de votar no último domingo (2), o que equivale 31,64% dos eleitores do município. Na cidade com dois candidatos, Nenem do Cazuza (PDT) foi o vencedor em uma disputa acirrada, com 10.815 votos (50,42%); Júnior do Titico obteve 10.635 (49,58%).


O aumento dos votos inválidos e ausências se repetiram pelas capitais do país. Conforme o TSE a soma de votos nulos, brancos e abstenções superou o primeiro ou segundo colocado na disputa para prefeito em 22 capitais do país. Somados, superaram o primeiro colocado em dez capitais: Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Curitiba (PR), São Paulo (SP), Campo Grande (MS), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Cuiabá (MT), Aracaju (SE) e Belém (PA).


O menor índice de abstenções entre as capitais foi registrado em Manaus: 8,59%. Já o maior índice de pessoas que deixaram de votar em todo o país foi registrado no Rio de Janeiro (24,28%). Praticamente um em cada quatro eleitores não votou na capital carioca.



Hariádina Salveano