Movimento “Médicos pela Democracia” se integra a programação da Frente Brasil Popular

22


Grupo de médicos cearenses aprovou a criação do movimento e lançou um manifesto e um abaixo assinado, que está aberto a assinatura de médicos de todo o Brasil. O grupo criou oficialmente o “Movimento Médicos pela Democracia”. O grupo tem uma página no Facebook e grupos de WhatsApp. O movimento dos médicos estiveram no hotel Amuarama, na reunião da Frente Brasil Popular, quando foi definida a seguinte programação unificada de luta contra o Golpe e pela Democracia:


Aula Pública de Juristas e advogados em defesa do Estado Democrático de Direito e contra o Golpe – Quarta, 30 de março, no Auditório da Faculdade de Direito,  às 18:30hs.


Ato Nacional de luta contra o Golpe – Quinta, 31 de março, na Praça da Bandeira, às 15:00hs, seguindo em passeata até o Centro Dragão do Mar.


Ato da Juventude – #foraredeglobo – Sexta, 1 de abril – escracho na Praça da Imprensa às 17:00hs.


Ato com a presença de Lula – Sábado, 2 de abril, a partir de 9:00hs na Praça do Ferreira.


Ato dos Médicos pela DemocraciaTerça, 5 de abril, no Salão Nobre da Reitoria, às 19:00hs.


Só a mobilização do povo na rua é capaz de deter o golpe, que está em marcha, contra o Estado Democrático de Direito.


Veja a íntegra do manifesto:


Manifesto “Médicos pela Democracia”


“O correr da vida embrulha tudo; a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem” (Guimarães Rosa)

Vivemos um tempo sombrio em nosso País, em que o Estado de Direito está sendo corroído e há uma exacerbação de preconceitos, intolerância e violência.

A Constituição brasileira está sendo aviltada por decisões judiciais arbitrárias. Não aceitamos a tentativa de golpe que visa cassar a vontade livre e soberana dos brasileiros que se expressaram nas urnas. Diante desta grave situação, nós “médicos pela democracia” firmamos nossa posição:


1- Defendemos a Democracia e a manutenção do Estado Democrático de Direito, respeitando o arcabouço jurídico previsto na Constituição Brasileira de 1988.


2- Acreditamos que o debate político, pautado pelo respeito, destituído de sentimentos de ódio, preconceito e da incitação à violência é salutar para a jovem democracia brasileira.


3- Não compactuamos com a corrupção e defendemos que corruptos e corruptores sejam investigados, julgados e punidos, dentro da Lei, protegendo o direito a ampla defesa, presunção de inocência e ao contraditório.


4- Repudiamos a seletividade e parcialidade, observada em distintas ações executadas por setores do judiciário e da polícia federal, induzindo-nos a crer que exista uma articulação entre tais setores, alguns partidos e a grande mídia, com o objetivo de destituir a Presidenta da República.


5- Discordamos dos posicionamentos sobre a atual conjuntura política, publicados recentemente, sem consulta à categoria, das entidades médicas: Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Médica Brasileira (AMB) e o Sindicato dos Médicos do Ceará.


6- Não aceitamos que, insuflados por operações espetaculosas do aparelho judicial-midiático, se estabeleça um clima de intolerância e violência em nosso país e atitudes fascistas sejam estimuladas, quebrando a liberdade de opinião e destroçando as relações sociais.


Defendemos, portanto, o Estado Democrático de Direito, a Soberania Nacional, a Justiça Social e a Liberdade.


Não ao Golpe!