Fortaleza será palco eventos nacionais dos movimentos estudantis

17


Entre os dia 29 de janeiro e 1º de fevereiro, a capital Cearense será palco eventos nacionais dos movimentos estudantis.


Um será concentrado no bairro Gentilância, o Encontro Nacional de Grêmios (ENG) promovido pela União dos Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES). Em sua terceira edição, o ENG irá reafirmar o protagonismo estudantil, aprofundar as discussões e reforçar uma das principais bandeiras do movimento estudantil: a luta pela construção de uma educação pública, gratuita e de qualidade para todos.


Na programação do evento, apresentação do cantor Chico César, na noite da segunda-feira, 30.


No mesmo período, acontece a 10ª Bienal da UNE, que reuni mostras, encontros, shows, exposições, espetáculos e oficinas. O tema do evento será “Feira da Reivenção” e promete trazer à luz o potencial criativo do povo brasileiro e a possibilidade de reinvenção de linguagens, estéticas, formas de luta e de arte.


São 1.140 trabalhos cadastrados nas sete áreas que compõem a Bienal: literatura, audiovisual, artes cênicas, música, artes visuais, projetos de extensão, ciência e tecnologia. A coordenação do evento informou que a maioria das inscrições foi para a área de Literatura, com 345 trabalhos.


Na agenda nomes como Jout Jout, Gregório Duvivier, Falcão e Marcelo Adnet. A programação ainda inclui shows de Gaby Amarantos, Baiana System e Emicida.


“Feira da Reinvenção”


A Bienal da UNE, criada em 1999, tem como norte a investigação e celebração dos elementos mais intrínsecos da brasilidade, algo como o DNA do Brasil, a formação do seu povo. Em meio a um dos momentos mais graves da história democrática brasileira, após o golpe de 2016, a UNE leva para a sua 10ª Bienal o tema “Feira da Reinvenção”, evocando o potencial criativo do povo brasileiro frente às adversidades, e a imagem e o conceito da feira livre na cultura nacional.


A Bienal é, portanto, uma espécie de desafio criativo para o movimento social e cultural do país, permitindo um espaço de exposição e trocas baseado na reinvenção.


História da Bienal da UNE


Em 1999, com a realização da 1º Bienal em Salvador (BA), a UNE retomou com vigor o seu trabalho cultural, que teve destaque na década de 1960 com o famoso Centro Popular de Cultura (CPC). Na segunda edição, realizada em 2001 no Rio de Janeiro, esse projeto cresceu com a criação do Circuito Universitário de Cultura e Arte (CUCA), uma rede de produção e fomento à arte nas universidades do País.


Posteriormente, a UNE deu continuidade ao caráter itinerante das Bienais e norteou o festival para temas que representam algum dos elementos formadores do povo brasileiro. Já foram discutidos a cultura popular (Recife, 2003), a integração do Brasil com a América Latina (São Paulo, 2005), as relações do país com a África (Rio, 2007), as raízes do Brasil (Salvador, 2009), o samba (Rio, 2011), a influência da cultura nordestina (Recife, 2013) e as diferentes formas de linguagem no País (Rio, 2015).


SERVIÇO:


10ª Bienal da UNE


Data: 29 de janeiro a 1º de fevereiro

Local: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura


Confira a programação completa: http://www.une.org.br/noticias/programacao-da-10a-bienal-da-une-chega-a-fortaleza-e-ocupa-dragao-do-mar/