Distribuição de combustíveis estão garantidos durante a greve dos Petroleiros

21


        


“A greve nacional dos petroleiros não está afetando a distribuição de combustíveis e não pode ser considerada, em hipótese alguma, como a responsável pelo aumento no preço da gasolina em alguns postos de abastecimento do país”, afirma o presidente do Sindicato dos Petroleiros.


Essa é uma estratégia conhecida pela categoria dos petroleiros e foi utilizada, na greve da categoria em 1995 com o gás de cozinha. Ainda segundo o Sindicato, os comerciantes escondiam os botijões da população e alegavam falta do produto em consequência da greve, com o objetivo de aumentar o preço do gás e jogar a culpa na greve dos petroleiros.


Em nota oficial, Petrobrás e a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), reitera que “apesar do efeito na produção de petróleo e gás no Brasil, resultante do movimento grevista, a distribuição está funcionando dentro da normalidade e não há previsão de desabastecimento do mercado.”


A ANP afirmou que “tem como função garantir o abastecimento nacional de combustíveis. No momento, não há risco de desabastecimento”ainda segundo a nota.


A população deve ficar atenta ao aumento abusivo de preços no combustível ou no gás de cozinha.


Os petroleiros, filiados à FUP (Federação Única dos Petroleiros), esclarecem que não estão em greve por aumento salarial, mas sim por uma política justa, que garanta mais empregos e condições dignas ao povo brasileiro, informa o Sindicato.


Sobre a da greve no Ceará


Hoje, 09 de novembro, os trabalhadores do campo terrestre Fazenda Belém, situado no município de Aracati, aderiram ao movimento grevista nacional.



Amanhã, 10 de novembro, às 10 horas, entidades dos movimentos sociais farão ato em defesa da greve e da Petrobras na Praça do Ferreira, em Fortaleza. O objetivo é dialogar com a população sobre a importância da Petrobrás para o Brasil. Motivo principal da greve não é por melhores salários ou benefícios, mas barrar o processo de privatização em curso na Petrobrás e garantir os direitos já conquistados pelos trabalhadores.


Por Hariádina Salveano com informações do SINDIPETRO