Com ato público no aeroporto, cearenses abriram semana de atividades contra o golpe e a favor da democracia

10


Um grande ato público para sensibilizar a população para a luta contra o golpe, no começo desta semana decisiva de mobilização em favor da democracia e da liberdade. Assim foi a manifestação realizada na madrugada desta segunda-feira, 11/4, no Aeroporto Pinto Martins, em Fortaleza, reunindo centenas de participantes e dezenas de movimentos sociais, entidades, associações e representantes de vários setores, com esforços conjugados na Frente Brasil Popular. 


Com entusiasmo, alegria e bom-humor, os participantes do ato público chamaram atenção e foram recebidos com simpatia pela maioria dos passageiros, aeroportuários e aeroviários, que gritaram junto palavras de ordem como “A luta é agora, o golpe não decola” e “Não tem golpe não, o pobre agora pode andar de avião”.


Ampla participação popular


Reunidos na Frente Brasil Popular Ceará, os participantes do ato público incluíram, entre outros, representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), da União Nacional dos Estudantes (UNE), da União da Juventude Socialista (UJS), do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), da Federação de Bairros e Favelas de Fortaleza (FBFF), da Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce),  da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Ceará (Fetraece). Entre os partidos políticos, PT e PCdoB, com o Mandato do deputado federal Chico Lopes representado.


Entre outros sindicatos, participaram do ato o Sindvalores-CE, o Sindsep Caucaia, o Sindicato dos Metalúrgicos no Ceará, o Sindicato dos Comerciários, o Sindicato Apeoc (dos trabalhadores da educação), o SindPD (dos trabalhadores em Processamento de Dados) e SindCorreios. Também se fizeram presentes representantes da luta das mulheres e LGBT.


Amor contra o ódio e contra o golpe


Presidente da CUT-CE, Will Pereira conclamou a população a usar o amor como instrumento contra o ódio e contra o golpe. “Vamos para o diálogo, em favor da democracia, nesta semana decisiva”, ressaltou. “É uma imensa alegria ver tantos cidadãos e cidadãs cearenses que estão passando neste momento no aeroporto defendendo a democracia, nesta semana em que temos que intensificar a mobilização”.


Eliseu Rodrigues, presidente da Fetraece, destacou o acesso popular à educação como uma das conquistas dos governos Lula e Dilma a serem preservadas com a luta contra o golpe das forças conservadoras de direita. “Hoje o filho do pobre chega à universidade e o trabalhador está mais consciente. Por isso não vai ter golpe”, apontou.


Silvia, militante pelos direitos do segmento LGBT, enfatizou que impeachment sem base legal é golpe. “O povo brasileiro sabe disso, e não vai permitir que aqueles que perderam a eleição tentem ganhar à base de golpe”.


Paulo Henrique, representante do MST, também discursou contra o golpe. “Essa é uma semana decisiva pra classe trabalhadora. Por isso vamos firmes na luta, para defender a democracia”.


Edgar Neto, presidente da União da Juventude Socialista no Ceará, ressaltou o protagonismo juvenil na luta contra o golpe e pela democracia. “O jovem hoje tem direito a estar na universidade. Isso não foi à toa. Foi conquistado com muito suor. Por isso vamos defender”.


Germana Amaral, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) no Ceará, destacou que o povo cearense vai para as ruas todos os dias nesta semana, em defesa da democracia. “Vamos defender sem fraquejar as conquistas sociais, que aqui no Nordeste sabemos muito bem como são importantes. Não vai ter golpe. Vai ter luta todo dia”.


Ao final do ato público, a certeza de que a população cearense diz “não” ao golpe, pela defesa da democracia e pela continuidade de conquistas como os avanços sociais, a geração de emprego e renda, a diminuição das desigualdades, que permitiu a mais gente simples, do povo, frequentar aeroportos, antes exclusivos dos segmentos mais economicamente privilegiados. “O povo na rua, golpista recua”. Foi apenas o começo da semana de luta contra o golpe e pela liberdade.